Huperzine A você conhece? Ela pode melhorar sua memória e cognição

Huperzine A você conhece? Ela pode melhorar sua memória e cognição

Huperzine A você conhece? Ela pode melhorar sua memória e cognição

Você sente que sua memória já não é a mesma coisa, está tendo dificuldade de memorizar as coisas, não lembra aonde deixou a chave do carro? Ao estudar alguma coisa tem dificuldade de memorizar, não lembra aonde salvou os documentos no computador?

Com o tempo e a idade chegando nosso cérebro da sinais de fadiga, seja por uma alimentação desregrada, consumo excessivo de açúcares, stress. A questão é a memória já está dando sinais que precisa de cuidados.

A Huperzina A é um nootrópico natural que pode melhorar a memória e cognição, estabilizando os níveis de neurotransmissores e protegendo o cérebro de danos oxidativos, melhorando a memória e aumentando a cognição geral.

Embora seja mais usado no tratamento da doença de Alzheimer e distúrbios neurodegenerativos, o seu potencial nootrópico está tornando a Huperzina A cada vez mais popular entre pessoas saudáveis que querem melhorar sua cognição e pensar com mais clareza, e poder reter o que aprendeu.

Huperzine A você conhece? Ela pode melhorar sua memória e cognição

Efeitos e Benefícios da Huperzine A

 

Os benefícios mais importantes da Huperzina A está na sua ação de proteger o cérebro contra os efeitos oxidativos, um dos fatores mais comuns associados quando envelhecemos.

O dano oxidativo está no centro da maioria dos males relacionados com a idade e acredita-se que exerça um papel crucial no desenvolvimento da esclerose e do Alzheimer bem como de outros distúrbios neurológicos.

No processo, cada átomo deve ser cercado por pares de elétrons que orbitam o átomo, mas à medida que envelhecemos o processo torna-se menos confiável, e acabam se deteriorando em uma porcentagem crescente. Novos átomos são formados sem um complemento completo de elétrons.

Estes átomos desequilibrados ou instáveis, chamados de radicais livres, roubam das células saudáveis circundantes um elétron para equilibrar sua própria camada.

Criando uma cadeia de reações químicas potencialmente prejudiciais desestabilizando as células das quais eles “emprestaram” elétrons.

Este efeito é compensado pela presença dos antioxidantes, ou moléculas que podem “doar” um elétron a um radical livre sem se tornarem instáveis.

Quando radicais livres e antioxidantes estão presentes em equilíbrio, o processo pode realmente ser benéfico, mas quando a atividade dos radicais livres supera a atividade antioxidante, o resultado é o estresse oxidativo que danifica lipídios, proteínas e o próprio DNA.

Veja este vídeo para entender melhor.

 

 

Melhorando a memória

A Huperzine A pode melhorar a memória elevando os níveis de acetilcolina, um neurotransmissor crucial para todos os aspectos da cognição.

A Huperzine A inibi a produção da isoforma G4 da acetilcolinesterase, uma enzima que degrada e diminui os níveis do neurotransmissor acetilcolina e a própria acetilcolinesterase no cérebro. Por esta ação os níveis de acetilcolina não são degradados e assim aumenta a cognição e melhora a memória.

Como Funciona

Por ser um alcaloide solúvel em água a Huperzina A tem facilidade em atravessar a barreira hematoencefálica e se distribui rapidamente por todas as regiões do cérebro.

Aparece no sangue dentro de 5 a 10 minutos, e a concentração máxima é alcançada em cerca de uma hora.

Ele tem uma meia-vida de cerca de 10 horas e é normalmente eliminada através da urina dentro de 24 horas.

O suplemento também é conhecido por ajudar a proteger o cérebro contra a toxicidade do glutamato, bloqueando certos tipos de receptores de glutamato.

Esta ação impede que as células cerebrais sejam sobreativadas e ajuda a normalizar os níveis de glutamato, evitando a toxicidade crônica do glutamato que é tipicamente associada à demência e a outras perturbações neurológicas relacionadas com a idade.

Nutrientes para seu cérebro

Sete maneiras de manter o cérebro afiado

Você já ouviu falar que o intestino é o segundo cérebro?

Dosagem

Em estudos clínicos ela foi administrada com segurança da seguinte forma: 50—200 mcg duas vezes por dia para o tratamento da doença de Alzheimer, 100 mcg duas vezes por dia para melhorar a memória, e 30 mcg duas vezes por dia para aliviar o senil ou pré – demência senila.

Pode ser tomado com ou sem alimentos a qualquer hora do dia.

Devido à sua longa meia-vida de mais de 10 horas, o ciclismo pode ser útil. Um ciclo de 2 a 4 semanas de suplementação seguido de uma interrupção da suplementação é típico, em 1 semana embora não tenha sido identificada uma duração ideal do ciclo.

Efeitos colaterais

A huperzina é segura e bem tolerada quando tomada com moderação. Pessoas que sofrem com asma, doença pulmonar obstrutiva crônica, doença cardiovascular, obstrução do trato intestinal, obstrução do trato urogenital, úlcera gastrointestinal e convulsões não devem fazer uso da huperzia serrata.

Não foi documentada incidência de toxicidade em estudos e testes com o suplemento.

Quando tomado em quantidades habitualmente utilizadas para a suplementação, os efeitos secundários são pouco frequentes e transitórios e consistem principalmente em perturbações digestivas gástricas menores.

Quando tomado em doses muito grandes, ele pode causar náuseas, vômitos e diarreia, fala arrastada, espasmos musculares, babando, incontinência, pressão arterial elevada e freqüência cardíaca lenta.

A huperzina A pode interagir com medicamentos anticolinérgicos como atropina e escopolamina; também pode interagir com anti-histamínicos e medicamentos antidepressivos.

Considerações Finais

Huperzine A é um suplemento natural que atua como antioxidante, neuroprotetor e nootrópico.

Décadas de pesquisa indicam que ele pode melhorar a memória e cognição geral, aliviar os sintomas de comprometimento cognitivo de transtornos depressivos maiores, ajudar a tratar doenças neurodegenerativas e até mesmo proteger o cérebro de danos oxidativos relacionados à idade.

É seguro, bem tolerado e não tóxico quando tomado com moderação.

Com relação a alimentação um estudo que incluiu 832 participantes examinados a cada três anos por até 18 anos revelou que aqueles cujas dietas refletiam mais a uma dieta mediterrânea experimentavam um declínio cognitivo significativamente menor do que aqueles que praticavam outro tipo de dieta.

Exames do cérebro de indivíduos com idade avançada cognitivamente normais revelou que a adesão a um padrão alimentar do tipo mediterrâneo está associada à redução do acúmulo de β-amilóide.

Os componentes da dieta mais intimamente ligados a esse efeito foram o alto consumo de frutas e vegetais.

 

E você como é sua dieta? Já experimentou algum tipo de nootrópico?

Share and Enjoy !

Shares

Talves você também tenha interesse

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.