• G+

Sete maneiras de manter o cérebro afiado

Sete maneiras de manter o cérebro afiado 

 

O cérebro uma parte do corpo que raramente é exercitada, mas com um pequeno esforço, é possível prolongar a vida das células cerebrais. Em geral as pessoas que passam dos 65 anos de idade tem uma probabilidade de sofrer do mal de Alzheimer e que ela pode afetar entre 30 a 505 dos que tem mais de 85 anos. Assim é bom fazer tudo o que puder para aumentar as chances de evitar problemas mais tarde.

Mantenha-se em forma:

Os exercícios aeróbicos têm um papel fundamental na neurogênese – o nascimento de novas células cerebrais. Correr estimula a gênese de novos neurônios no cérebro adulto. Quem corre ativa as células-tronco residuais, que, então proliferam e migram par o hipocampo, área do cérebro importante para o aprendizado e a memória. Acredita-se que esta prática possivelmente estimule uma combinação de funções, maior produção das proteínas conhecidas como fatores de crescimento cerebral, melhora do fluxo sanguíneo e mudanças no nível de neurotransmissores.  Este efeito é tão forte que estimulam em 200% novos neurônios do hipocampo.

Tome vitamina B12:

As vitaminas do complexo B, o Folato (vitamina B9) provavelmente é o estimulante do cérebro mais conhecido. Mas a vitamina B12 presente na carne, e no peixe, no leite, merecem atenção. A vitamina B12 protege contra a atrofia cerebral. Um estudo com um grupo de idosos da universidade de Oxford na Inglaterra verificou-se que os idosos que consumiam regularmente a vitamina B12 tinham seis vezes menos probabilidade de ter atrofia cerebral do que os que não consumiam regularmente a vitamina.

Ajustar a dieta para incluir alimentos ricos em vitamina B12 é algo fácil de fazer para prevenir a perde de volume cerebral e, assim salvar a memória. 

Tome muito líquido:

Alem de atrofiar o cérebro, a desidratação também afeta o seu funcionamento. Apenas 90 minutos de suor constante podem fazer o cérebro encolher o equivalente a um ano de envelhecimento, diz o Dr. Matthew do Instituto Kings College em Londres. Embora o cérebro volte rapidamente ao normal com um ou dois copos de água, a falta de líquido durante dias e até semanas pode prejudicar o trabalho e o desempenho. Quando o corpo se desidrata, a água sai das células do cérebro e elas encolhem. Isso muda a concentração de substancias químicas importantes nos neurônios e pode atrapalhar o seu funcionamento.

Exercite o cérebro:

Esta difícil lembrar nomes ou palavras novas? Transforme o fortalecimento da memória num jogo. A mnemônica é ótima ferramenta para a memória criativa, divertida e se não conseguir lembrar nem escrever a palavra mnemônica, use estas dicas:

Use imagens positivas. O cérebro costuma bloquear as desagradáveis.

Prefira ideias vivas e coloridas elas são mais fáceis de lembrar-se do que as monótonas.

Cultive o senso de humor! Coisas engraçadas são mais fáceis de lembrar-se do às cotidianas.

Aprenda outra língua:

O aprendizado de outro idioma força o cérebro a criar novas sinapses, tornando-o mais ágil. Quando se usa outro idioma mais áreas no cérebro são ativadas. O cérebro bilíngue funciona melhor, pois força o cérebro a se desenvolver mais. É possível aprender uma segunda língua em qualquer idade, de acordo com Michel Valenzuela, pesquisador do Instituto Neuropsiquiátrico do hospital Príncipe de Gales, em Sydney, na Austrália. Aprender um novo idioma exige bastantes termos cognitivos e envolve muito trabalho mental de repetição, o que provoca no cérebro uma torrente de mudanças positivas. Arranjar atividades desafiadoras reduz o risco de demência e mantém o cérebro saudável por mais tempo.

Aumente a ingestão de cobre:

O cobre é um oligoelemento essencial para a saúde do sistema nervoso central. No cérebro, os íons de cobre afetam os componentes responsáveis por tornar mais ou menos fortes as sinapses neurais- as junções que permitem a comunicação entre nervos. Essa mudança de intensidade afeta a capacidade de aprender e recordar, de acordo com pesquisas feitas na Escola de Medicina da Universidade de Washington. Ostras, cogumelos, shiitake, tahine, castanha de caju e pera são ótimas fontes de cobre.

Aprenda mais sua própria língua:

Não que aprender outra língua? Então domine a sua própria, tanto na forma oral como escrita. Quando se tem uma base solida do idioma materno na infância, a probabilidade de manter uma mente robusta na velhice é muito maior. Que escreve bem tem boa cognição para exprimir suas ideias de forma fluente e sucinta. E menos chances de desenvolver tipos de demência ao longo dos anos. Bem como deixa o cérebro mais afiado e protegido como o mal de Alzheimer ate sete décadas depois.

Espero que tenha gostado deste artigo, pois trata justamente de um assunto que se cuidado desde cedo, teremos mais chances de ter um cérebro mais ativo.

Até a próxima.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *