Leite Integral, emagrece e faz bem ao coração

Leite integral emagrece!

 

Na era da fartura dos alimentos magros, saborear um copo de leite integral já é considerado por muitos como um sacrilégio. Com a sua proposta de corte de calorias, o desnatado passou a dominar as prateleiras dos supermercados. Mas, se antes o mantra da nutrição repetia um sonoro não para os lácteos integrais, a historia agora mudou de lado: analises em amostra de leite longa vida apontaram que os desnatados não contém doses significativas de ácido graxos insaturados, as populares gorduras do bem. Parece que esse tipo de leite é magrinho mesmo, inclusive em moléculas parceiras da saúde .

Quem tirou a prova foi a farmacêutica Natalia Andrade Zancan, da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Universidade Estadual de Campinas. Em seu estudo, ela observou que só o integral é fonte rica do ácido linoleico conjugado, o popular CLA, um potente agente cardioprotetor e antiobsidade, que ajuda a dissolver os pneus localizados na região abdominal. Presente na membranas das células, o CLA otimiza a termogênese, a queima de gordura para liberação de energia. E, a pesar de ser volátil, ele não sofre prejuízos no processo de esterilização.

Outras gorduras relacionadas à saúde cardíaca e mental como o EPA e DHA, variantes do ômega 3 também  são encontradas aos montes no integral. No magro, por outro lado, há apenas traços das substâncias. Tem mais. Um dos ácidos graxos abundantes no integral é o oleico, o mesmo achado em alto teor no azeite de oliva. Esse nutriente é um querido de nossas artérias por reduzir a formação de plaquetas gordurosas. É preciso atentar também  para a vitamina D, que depende da gordura para ser aproveitada pelo organismo e é responsável pela absorção do cálcio, por tanto, se o consumo de laticínios se restringe às versões desnatadas, o aproveitamento do mineral fica comprometido devido à carência de gordura.

Nem mesmo as proteínas de alto valor biológico, aquelas que tem todos os aminoácidos essenciais para atender às necessidades fisiológicas, permanecem 100% intactas no leite magro. No desnatado, é possível que uma parcela das proteínas vá embora, porque as gotas de gordura, removidas durante o processo, são envolvidas em um membrana proteica, justifica Carlos Augusto de Oliveira, engenheiro de alimentos da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de alimentos da Universidade de São Paulo ainda assim, esses valores variam a cada fabricante.

Um erro, na opinião deles, é acrescentar água ao leite integral . você dilui tudo. Então consumira menos proteínas, aminoácidos essenciais, lactose, cálcio etc. portanto, ninguém esta autorizado a cometer excessos. O consumo deste ácido graxo precisa ser inferior a 7% do total de calorias diárias. Dois grupos de indivíduos necessitam tomar cuidado especial com a bebida em questão: os intolerantes à lactose e os alérgicos a proteína do alimento. Em uma dieta de 1700 calorias, são apenas 119. Para não extrapolar essa margem de segurança a sugestão é ingerir ate dois copos de leite por dia (400ml).

Pessoas com colesterol alto, triglicérides descompassados, hipertensão, diabete ou distúrbio do coração devem optar pelo semi desnatado ou o desnatado mesmo. O integral no entanto, é praticamente uma porção mágica para as crianças de até 4 anos de idade, evita o raquitismo e o fortalecimento ósseo. Então vale muito mais cortar frituras e petiscos industrializados a abrir mão do saboroso leite integral.

[wpsr_plusone][wpsr_facebook][wpsr_addthis]

Artigo extraído da revista Saúde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.